quinta-feira, 23 de maio de 2019

Os diários de uma aikidoca
O preparo para a faixa verde
Por: Priscila Gorzoni


"Por mais que você tente não se comparar com os outros, você acaba caindo na armadilha e se comparando. 
A pior coisa que você faz é se comparar ao outro. Justamente porque não faz sentido. Cada um tem um histórico, facilidades, dificuldades, caminhos e fraquezas. Mas diversas vezes, nós fazemos isso e as vezes sem pensar.
Foi o que fiz hoje e fiquei me sentindo o buraco do buraco. 
Fui para o treino e lá encontrei um colega mirim, ele faz o exame da roxa comigo. Bom, eu comecei a conversar com ele, que me contou que já está fazendo bem 7 técnicas da verde, e as do bokken. Fiquei assustada, porque praticamente não sei nenhuma. Na realidade treinei pouco para a verde, só algumas, mas meu corpo não memorizou ainda. Mas já estava começando a pegar as técnicas, ai o sensei parou de treinar a verde. Mas voltou para a verde, só que eu faltei nas aulas que ele retomou a verde. E eu fiquei para trás.
Na realidade eu tenho que treinar muitos meses antes, tipo uns 6 meses, porque o meu ´calcanhar de Aquiles` é a técnica. Cada um tem o seu ponto fraco, o meu é a parte técnica. Cada um tem o seu ponto fraco.
Ai quando o meu colega mirim falou que ele já tinha aprendido e memorizado 7 técnicas, e mais as do bokken, eu me senti o ´coco do cachorro abandonado`, sabe aquela sensação de ser o lanterninha da fila? Aquela sensação de ter ficado para trás. Fiquei péssima, pensando que eu não havia memorizado nenhuma. Ai meu olho deve ter se arregalado, porque sempre fico assim quando fico nervosa. Fui lá falar com o sensei Rodrigo, que eu estava com receio do exame da verde, eu tinha praticado pouco. Eu precisava me dedicar mais. Ufaaa, ai sensei Rodrigo deu algumas técnicas da verde e me deixou treinar no final do aula, supervisionado. Foi ótimo, sai bem mais aliviada. Ufaaaa.
Mas, a gente não deve se comparar aos outros, porque cada um é cada um. O meu amigo mirim faz aikido há mais de 5 anos, começou ainda criança, ele tem 14 anos. Ele tem a mente vazia, memoriza mais rapidamente do que eu, não tem como comparar. A minha mente está cheia de preocupações, trabalho, pautas, matérias, família, futuro....e mais tantas outras coisas. Não são tantas assim, mas com certeza a minha mente pesa mais do que a do meu amigo mirim.
Mas, a aula foi maravilhosa como sempre, demais mesmo. Eu prefiro trabalhar de madrugada e conseguir ir para as aulas da semana, vale à pena o esforço. Eu vou me empenhar para isso. A aula é praticamente particular e muito boa.
Hoje eu me cansei um pouco mais, logo no inicio eu fiquei cansada, provavelmente porque o meu condicionamento não está bom, fora que eu havia treinado na outra terça e eu estava com um final de gripe. Tive que parar para tomar água, estava quente.
Mas, sai assim, como sempre, leve, e minha tensão com relação à faixa verde até ficou mais leve. 
Mas a velha lição de casa, não se compare com ninguém, concentre-se em você, no seu caminho....
Não é fácil não, não é...
Por isso eu acredito que praticar um arte marcial te fortalece, porque você aprende a lidar com muitas situações, coisas...
A lição que aprendi hoje no treino foram além de algumas técnicas para a faixa verde, a tentar não me comparar à outras pessoas..."

terça-feira, 21 de maio de 2019

As lendas da vida, marciais
Tire do ambiente o melhor proveito
Por: Priscila Aikido


Havia uma lenda que contava do quanto é importante tirarmos o melhor para nós do ambiente em que estamos. 
Isso as vezes não é tão fácil assim.
Nem sempre estamos em locais onde nos sentimos bem, mas é importante encontrarmos algo neles que possa nos ajudar a tornar os nossos dias mais agradáveis. 
Essa lenda conta a história de um homem que caiu no mar, mas não sabia nadar. Ele ficou desesperado e o seu despreparo com o mar não o deixou ver como poderia tirar um melhor proveito dele.
Ele então, se debateu, se debateu até que não aguentou mais e morreu.
Do outro lado do mar estava um outro homem, esse era um nadador. Ele estava acostumado a lidar com o mar e tirar dele o melhor proveito. O barco que ele estava virou e se viu no meu do mar tentado se salvar. Ele então resolveu tirar o melhor do mar, ficou boiando para economizar as energias. Enquanto isso tentou ver algum local seguro para onde pudesse ir. Assim que viu, nadou até lá e se salvou.
Assim, é a vida, se você souber tirar proveito dos ambientes, sobreviverá melhor neles...
Histórias populares, lições de vida
A história do bambu chinês e os desafios da vida...
Por: Priscila Aikido



Há alguns dias atrás eu li uma historinha que me lembrou da nossa trajetória tanto no Aikido, quanto na vida.

Um dia uma menina que praticava Aikido chegou desanimada em casa. Fazia anos e anos que ela treinava e nunca era tempo de trocar de faixa. Ela gostava da faixa amarela, mas cansava ver os outros evoluindo, mudando de faixas, e ela ficando cada vez mais atrás na fila da formação. Não era fácil. Ela sabia que ainda não era tempo de mudar de faixa, as técnicas para a mudança não estava boas. O sensei chamou ela e falou com jeito.
-Você sabe que ainda não está bem preparada para o exame.
A menina sabia sim.
Mas não é tão fácil ouvir isso.
Ela então absorveu a informação, entendeu que ainda precisava de mais um tempo, se preparou um pouco, ficaria mais alguns meses na amarela. Ela tinha esperado uns dois anos para mudar de faixa, mas nunca chegava o tempo. Até sonhou com isso. Mas muitas coisas aconteceram naquele ano, coisas complicadas.
Uma vez por causa de uma lesão, na outra, outra lesão e depois na outra as técnicas de suari waza não davam certo, não estavam boas.
Mas o sensei tinha razão, ela sabia que não estava preparada ainda.
Ficou mais alguns meses treinando as técnicas, treinando e treinando. Era difícil.
Ai alguns dias antes do exame de troca da faixa ela leu uma pequena lenda, a lenda do bambu chinês.
O bambu chinês se desenvolve embaixo da terra, não é perceptível o desenvolvimento dele. Só após quatro anos, é possível ver que o bambu chinês se desenvolveu. Assim, é a vida. A evolução não é tão perceptível, mas ela ocorre. 
E assim, como o bambu chinês, a menina estava pronta, ela não percebeu exatamente o seu desenvolvimento. Porque as vezes realmente não percebemos. Chegou o dia do exame, ela fez, passou e trocou de faixa, agora era a roxa.



O dicionário das artes marciais japonesas
IUDO (iudô)
Por: Priscila Aikido



IUDO (iudô): Acompanhar os movimentos do seu oponente, fundindo-se com ele.


Fonte: Budo no Jiten: Dicionário técnico de artes marciais japonesas, José Grácio Gomes Soares, Ícone Editora.
Desabafos aikidocas
Tem aikidoca que envergonha o Aikido
Por: Priscila Aikido




Quando eu critico vocês dizem que exagero. Mas, infelizmente não exagero, realmente existem pessoas que me nego a chamar de aikidocas, praticam a nossa arte e envergonham ela por suas más posturas. Não vou tão longe assim, agora à pouco, tive que mais uma vez retirar e bloquear um elemento no meu perfil, sujeito do Sul, que me parece faz aikido, só não sei em que ´ribanceira`ou ´buraco`, porque regras de dojo e REI ele desconhece. Não sei se é sensei, porque se for, é mais grave ainda. Não duvido que seja, pois vejo que dentro do Aikido existe uma crise de valores, em que os praticantes estão bem longe da essência da arte. Bom, o sujeito simplesmente riu de todos nós brasileiros, entre eles, ele mesmo, diante das ofensas que recebemos nos últimos dias, sendo chamados de ´imbecis inúteis`. Eu reagi, porque não dá né, e ainda mais sendo ele um praticante da arte que defendo. Qual não foi a minha surpresa tinham 16 mensagens do elemento na minha caixa de ligações. Primeiro que eu jamais falaria com ele, segundo não li nada porque não leio, terceiro na hora o retirei. Agora que é vergonhoso saber que existem elementos assim, se dizendo fazer aikido, realmente é. Se o cara não tem o elementar que é civilidade, educação, imagina se tem condições de compreender e praticar uma arte elevada como o Aikido. Realmente você vê pela cara dele, a limitação do sujeito. 
Lixo não pratica aikido, pode até fazer técnicas, mas aikido, ele não faz.

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Reflexões de uma aikidoca contra os machistas do aikido
Eu vou ao seminário de Aikido, aliás, não, vou rebobinar a fita do seminário do ano passado (risos)
Por: Priscila Gorzoni



Você não precisar ir aos seminários de aikido, porque simplesmente eles são sempre iguais, os mesmos senseis homens se apresentam, é sempre um querendo aparecer e inventar mais do que o outro, sendo que muitos deles mal sabe o básico que é a história do hakama, e por ai vai.

Nunca tem mulheres senseis, e se tiver, eles colocam lá umas duas, e sempre as mesmas, amiga, do amigo, alguém que falará coisas machistas e previsíveis. Nada substancial para as mulheres, nada mesmo. 
Mas é legal ter mulheres lá, mesmo que sejam duas para 10000 senseis homens, em geral machistas, que todos os anos vão lá.
Eles inventam moda, mas não sabem nem o básico do aikido. Enfim, assim caminha a humanidade, ops, o aikido.
De seminário em seminário, seminário machista e sem crítica alguma, o aikido é passado para as pessoas. Sem reflexão, sem análise, sem crítica alguma. Apenas meia dúzia de gatos pingados, os de famílias tradicionais do aikido ditam as regras e o que é o aikido. Engessado. 
Tentei ir a um seminário uma vez e me barraram, adivinhem porque? Porque eu queria me filmar, mas o monopólio da filmagem sobre o aikido, é desses grupos tradicionais de aikido, que reproduzem o machismo, já que nunca falam e nem refletem sobre o assunto.
Eu nem preciso me deslocar para os seminários, é só pegar a fita do seminário do ano passado e rebobinar, é igual. Vai dar lá os mesmos, nenhuma mulher praticante e assim segue...
Teve uma época que eles colocavam a única sensei presente no evento para fazer o aquecimento. É o fim do mundo, mais machismo do que isso não tem.
E eles falam que no aikido não tem machismo...mas sensei pode mentir? Uê não tem um hida no hakama que quer dizer sinceridade? Então, agora ficou complicado.
Não precisa ir aos seminários não, você pega a filmagem deles, rebobina e mandar ver na sua televisão. Só vai dar barbudo, barrigudo rolando no tatame. Vai por mim, que é isso. É uma verdadeira fogueira das vaidades. Tem tanto pavão de hakama, barrigudo e barbudo que você vai confundir um com o outro....
E tem, nossssaaaa, tem muita diversidade no aikido...
Acho que os aikidocas modernos inventaram tanto, que se esqueceram de ler o básico do aikido. Acho não, tenho certeza...

Reflexões de uma aikidoca contra o machismo nas marciais
Se você é uma aikidoca machista, credooooooo! Vou vomitar
Por: Priscila Aikido



Se você é uma aikidoca machista, você joga contra as mulheres e inclusive contra você mesma. Mulheres machistas atrapalham o movimento das mulheres, e a evolução das mulheres. Vou ser sincera, não suporto mulheres machistas, porque elas são tudo de ruim, traíras, submissas, paquitas, chatas, ignorantes, atrasadas, burras, superficiais, massa de manobra, puxam o saco dos homens, votam em candidatos machistas, estão sempre do lado dos homens machistas. São inimigas das mulheres. As mulheres machistas são homens de saias, nem considero mulheres. Por outro lado, são umas coitadas, se submetem, são coitadas. A aikidoca machista é típica, só dela falar eu já sei que ela é machista, eu tenho alergia, fico longe, senão dá confusão. 
A aikidoca machista é aquela que vai dizer que não tem machismo no Aikido, que as mulheres tem privilégios, que graças aos homens as mulheres podem fazer aikido, ela vai brigar com as outras mulheres, vai ficar rivalizando com outras mulheres por causa de homem, vai dar em cima do homem de outras mulheres, é a típica traíra. Traíra de mulheres, traíra da causa das mulheres e da causa dela mesma. Mas a mulher machista é burra, ela joga contra o próprio time. Ela joga contra ela mesma. Se ela prejudica outras mulheres, ela está se prejudicando. Em uma sociedade machista, as mulheres sempre serão jogadas umas contra as outras, porque isso enfraquece o movimento feminino e isso fortalece o machismo. 
Para a aikidoca machista no Aikido não tem machismo, ela é tão machista que ela não consegue ver o machismo. Ela vai dizer que a trajetória dela no aikido foi um mar de rosas, que ela nunca teve problemas com os homens. Claroooooo, se ela é machista, ela não terá mesmo. Ela vai dizer que os homens marciais são maravilhoooooosssso, equilibrados, nem um pouco machistasssss. Eu vou rir, porque não dá. Já ouvi tantas aikidocas falarem isso, que até perdi as contas. Ela vai dizer que é um privilégio as mulheres usarem o hakama antes, e que os homens são tão bonzinhooooosss, que deram essa ´colher de chá`. Eu vou pedir para ela ler a história do hakama, que inclusive os senseis ainda não leram.
Os homens aikidocas são legaiiiisssss, nem um pouco machistas. Aliás a aikidoca machista vai aceitar ir a seminários e fazer só o aquecimento, mesmo ela sendo sensei. Tudo bem para ela, não vai exigir um espaço igual ao dos outros senseis. 
A aikidoca machista nunca fala de gêneros, que desigualdade de gêneros no aikido. Ahhh, ela vai dizer que somos diferentes dos homens por questões corporais, já que ela ignora que em aikido e arte marcial se usa técnica e não força. Mas aikidoca machista é alienada, ela é fora....
E nos seminários só dáaaaa sensei homem, é o clube do Bolinha. Nem vou mais, porque são sempre os mesmos, é só rebobinar a fita do seminário do ano passado. Um marrrrr de barbados e barrigudos, se jogando no tatame.
Nossa tem tanta diversidade que dá até gosto, tem mulheres, tem homossexuais, tem trans, fico até emocionada com a diversidadeeeeeee (é uma ironia). 
Que legal ir aos seminários de aikido, que só tem barbado, não tem mulher. São 100000 senseis para 2 senseis mulheres. 
E depois os aikidocas hipócritas vem dizer que no aikido tem diversidade, que as mulheres estão em pé de igualdade....que mentira. E pode mentir no Aikido? Uê mais eles não ensinam no aikido que a sinceridade está presente em um dos hida? Tá vendo, mais uma hipocrisia dos senseis....
E o que eu digo sobre os senseis machistassss, nossa tem muitos, perdi a conta, estou procurando um que não seja. É como procurar uma agulha no palheiro...Se vocês encontrarem me avisem, que eu preciso avaliar. 
Ah, e os senseis e aikidocas vão dizer: Ahhh no meu dojo não tem machismo. E e vou dizer: DUVIIIIDO. Eu vou lá avaliar.
Cara pálida todos os dojos tem machistas, não tem jeito, é uma praga....